Petit Verdot: Motivos para se apaixonar por esta uva

Ad Blocker Detectado

Our website is made possible by displaying online advertisements to our visitors. Please consider supporting us by disabling your ad blocker.

O nome vem dos pequenos (petit) bagos de uva de amadurecimento tardio e, quase sempre, pouco uniformes. É comum encontrar cachos com o fruto, em sua maioria, já maduros e escuros, mas ‘pintados’ por alguns ainda verdes (verdot).

Quando a safra de Petit Verdot não é muito favorável, sua condição original acaba levando a uma seleção manual das melhores uvas. Para obter as mais maduras e ideais, portanto, é preciso ir de bago a bago, em cada cacho.

Sua formação de cachos é particularmente interessante. A partir de um broto da Petit Verdot, podemos ter mais de um cacho; algumas vezes mais de três. Em geral, para cada broto formado em uma videira, surge um cacho de uvas – uma regra aplicada a quase 100% das variedades.

Imagine, então, o trabalho que dá ainda em campo para conseguir os melhores resultados. É preciso ter muita dedicação e cuidado para assegurar todo o ciclo da produção, colheita e, no final, obter frutos de primeira qualidade.

Ou seja, um ótimo vinho de Petit Verdot não é lá algo fácil. Mais um motivo para apreciar a bebida, não é mesmo?

 

Curiosidades sobre a uva Petit Verdot

 

A origem da Petit Verdot é meio incerta, embora muita gente afirme que sua ligação com a região de Bordeaux é consistente, tendo sido uma das primeiras castas plantadas pelos romanos naquela área gaulesa.

O curioso é que o clima bordalês não é exatamente favorável, uma vez que o período de maturação dessa variedade é um dos mais longos. A Petit Verdot brota cedo e demora para chegar ao ponto considerado perfeito para colheita. Por isso, costuma ter boa adaptação nos lugares de clima um pouco mais quente e seco.

Por outro lado, seus frutos diminutos de casca grossa favorecem a adaptação a climas menos secos. Vai ver está aí o segredo do plantio da Petit Verdot em locais aparentemente não muito recomendados.

Existem propriedades como a do renomado enólogo italiano Andrea Franchetti, por exemplo, que cultivam a Petit Verdot nas encostas do vulcão Etna, na Sicília. A formação protege o vinhedo dos ventos quentes do Mediterrâneo; já a altitude, faz com que o clima, normalmente quente, fique mais agradável.

 

Características da Petit Verdot

 

E mais: a alta proporção de componentes sólidos, ou seja, casca e sementes, em relação ao sumo da uva, favorece a concentração de flavonoides como as antocianinas, além de grande carga de taninos e acidez.

O nome “pequeno verde” não impede essa uva de conferir cor e estrutura ao vinho de corte, proporcionando mais potência e força à bebida. Na prática, agregar a Petit Verdot faz com que o vinho fique mais encorpado.

É, portanto, ótima para preparos que misturam diversas variedades de uvas. Na França, por exemplo, é muito utilizada por produtores como Château Margaux e Château Latour.

Sozinha, a Petit Verdot, via de regra, resulta em bebidas ácidas e com taninos muito marcantes. Por essas características, a uva acaba sendo pouco aproveitada em vinho varietal, isto é, com ela apenas.

Contudo, produtores da Austrália, Califórnia, Argentina e Chile estão dando uma outra chance à uva em varietal, e conseguindo bons vinhos.

É justamente por causa do problema dessa variedade – que eu contei lá no começo do post – em relação ao desenvolvimento de seus frutos no clima de Bordeaux, que a uva atualmente não é muito cultivada naquela localidade.

O amadurecimento atrasado fez com que a Petit Verdot recebesse mais atenção em países com climas quentes, dando origem a um novo vinho que tem surpreendido especialistas e críticos. É o caso do que fabricado na Sicília, Itália, região cujas temperaturas são bem mais altas.

Pelo visto, há muito o que experimentar e descobrir sobre essa espécie de uva desconhecida (pelo menos para a maioria) e com presença marcante.

E você, já tomou vinho com a Petit Verdot?

Até a próxima!

Leave a Reply